NOTICIAS

O FACEBOOK COMO ESPAÇO DE CIRCULAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DE TEXTOS DE UMA TURMA DO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

   10/08/2015
Fonte: Professor César Vicente da Costa.   

A presente proposta nasceu apoiada em uma temática muito discutida

atualmente no meio escolar: o bullying. O trabalho de intervenção foi desenvolvido em

uma turma do 9º ano “C”, da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, em Juína - MT. Exibindo 2014-02-18 10.44.47.jpg 

 A referida turma é umas das quais eu leciono como professor regente. Eu escolhi trabalhar

com esse tema, a partir das reclamações que os alunos faziam a respeito de estarem

sofrendo bullying em sala de aula. Como sabemos, através de relatos dos alunos,

reportagens e notícias, o ambiente escolar é um dos que mais apresenta característica

para o desenvolvimento do bullying. Conforme o Projeto Político Pedagógico (PPP) da

escola, os índices gerais do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) vai

caindo, conforme os alunos avançam para a última fase do ensino fundamental: o 9º

ano. Para despertar o interesse dos educandos, envolvidos no projeto, houve a

necessidade de se trabalhar o tema integrado com as novas tecnologias/metodologias

para o ensino e aprendizagem da escrita em sala de aula. Para isso, utilizou-se a rede

social Facebook (que os alunos utilizam e dominam) como espaço de circulação dos

textos produzidos, para motivá-los para a se dedicarem à escrita exigida na escola, que

pede um padrão mais elaborado. Foi um grande desafio, pois sabemos que as redes

sociais tem uma escrita livre das regras que nós professores de Língua Portuguesa

impomos aos nossos alunos nas suas produções.

A seguir, apresento os gráficos tabulados das enquetes produzidas e aplicadas

pelos alunos do 9º ano “C”. O total de alunos pesquisados foram oitenta e um:

Gráfico 1 – Você já sofreu bullying? Em que lugar?

 

 

 

Imagem inline 1

1- Você já sofreu bullying? Em que lugar?

Fonte: COSTA, Cesar Vicente da, 2015.

O gráfico acima responde a nossa pergunta inicial “Será que o bullying

acontece em nossa ecola?” Do total de 81 participantes 42 responderam não ter sofrido

bullying, 32 deles responderam que sofreram bullying na escola e 7 deles admitiram ter

sofrido bullying em outro lugar. O número 32 foi bastante expressivo e pegou os alunos

de surpresa, pois eles acreditavam que existia bullying, mas não nessa proporção.

Gráfico 2 – Como você reagiu após sofrer bullying?

 

 

 

Imagem inline 3

2- Como você reagiu após sofrer bullying?

Fonte: COSTA, Cesar Vicente da, 2015.

Esse gráfico mostra que 42 participantes não sofreram bullying, dos 39

pesquisados que admitiram sofrer bullying 12 deles não contaram para ninguém, estão

sofrendo calados, apenas 3 procuraram ajuda na direção/coordenação da escola, 11

falaram com o professor e 13 falaram para um amigo.

Gráfico 3 – Você já praticou bullying? Em que lugar?

Imagem inline 2

3- Você já praticou bullying? Em que lugar?

Fonte: COSTA, Cesar Vicente da, 2015.

Conforme o gráfico 57 participantes responderam não ter praticado bullying, 16

admitiram ter praticado bullying na escola, e os 8 restantes disseram ter praticado em

outro lugar. Esses números são preocupantes, 16 praticantes de bullying na escola a

cada 81 alunos, é bastante expressivo, considerando que cada um desses, pode agredir

vários alunos durante o período em que permanecem na escola.

Gráfico 4 - O Que você acha que deveria acontecer com a pessoa que pratica o

bullying?

 

Imagem inline 4

4- O que você acha que deveria acontecer com

a pessoa que pratica o bullying?

Fonte: COSTA, Cesar Vicente da, 2015.

Neste gráfico, 15 participantes disseram que os praticantes de bullying, merecem

sofrer o mesmo que pratica, 22 deveriam receber ajuda da família ou de um psicólogo, 4

deveriam receber ajuda da escola e 40 deveriam receber punição da justiça. Isso mostra

que há um movimento de revolta em relação aos praticantes. Do número dos

pesquisados que sofrem bullying na escola, apenas 4 deles acreditam que a escola possa

resolver esse problema, percebe-se um descrédito em relação a instituição.

A análise dos gráficos despertou o senso crítico dos alunos, eles sugeriram a

produção de alguns vídeos informativos sobre o bullying e também criar um grupo no

Facebook para as postagens. O grupo foi criado na página do meu perfil e foi “batizado”

de ESCOLA CONTRA O BULLYING; ele está disponível no seguinte link:

https://www.facebook.com/groups/382864901910873/, nesse endereço podem ser

conferidas as enquetes produzidas pelos alunos e as respostas através dos gráficos acima

que lá estão publicados. A ideia inicial era apenas circular e socializar os textos

produzidos, mas a partir dos resultados da enquete, os alunos despertaram para o

ativismo contra o bullying, o grupo já tem dezenas de postagens em fotos imagens,

vídeos compartilhados e vídeos produzidos por eles mesmos com seus celulares, seus

tablets, etc., o conteúdo é aberto ao público.

Os alunos também produziram e realizaram uma entrevista jornalística com a

Coordenadora Raqueline Bernardi. Os educandos, utilizaram um celular com recurso

de gravação de áudio para registrar a entrevista. Após a edição a entrevista foi passada

a limpo e impressa para realizar mais uma revisão e finalização:

Entrevista Com a Coordenadora Raqueline:

Alunos do 9° ano “C” da Escola Estadual Pe. Ezequiel Ramin, Juina –MT.

Entrevistadores: Jarison José, João Oliveira, Markus Paulo, Amanda Nicolau e Miriã

Diniz e Angélica Diniz.

O Bullying em nossa Escola

A professora Raqueline Bernardi é formada em matemática, especialista em

Ensino Médio Integrado a Educação de Jovens e Adultos (PROEJA), atualmente exerce

a função de Coordenadora Pedagógica na Escola Estadual Pe. Ezequiel Ramin.

Jarison: Professora Raqueline, tem acontecido bullying na escola Padre Ezequiel

Raqueline: Sim, Nós temos casos de bullying aqui na nossa escola, em todos os

períodos de aula, matutino, vespertino e noturno, também em todas as faixas etárias,

desde os menores de seis anos até os alunos do ensino médio.

João: O aluno que sofre bullying aqui na escola, pode procurar a coordenação sem se

intimidar?

Raqueline: Com certeza, ele deve procurar a coordenação, às vezes o aluno tem

vergonha da situação que está passando, então o que pode acontecer, um amigo também

pode estar nos procurando, para que nós possamos solucionar esse problema e tentar

findar essa situação.

Markus: O que acontece com o agressor, quando alguém procura a coordenação e faz

uma denúncia?

Raqueline: Nós conversamos com o agressor, se for uma reincidência, nós

comunicamos os pais, fazemos uma reunião, um registro em Ata, onde os pais assinam

e o agressor assina também, nós conversamos com eles e explicamos todas as

consequências do bullying, tanto para quem é agredido, quanto para quem agride. Nos

dias atuais podem fazer uma denúncia, procurando ajuda da polícia, porque é um crime.

Apesar dos professores comentarem a respeito, alguns ainda desconhece a lei que

protege o menor desse tipo de agressão. Então nós conversamos com eles nesse sentido,

para que não aconteça. Mas se reincidir, nós fazemos o registro, assim fica a cargo dos

pais se eles vão querer denunciar o agressor do filho.

Amanda: Sem a denúncia, a coordenação consegue identificar as vítimas de bullying na

Raqueline: É dificil para a coordenação, porque quando eles percebem a nossa

presença, eles não cometem essas agressões, por isso é importante a denúncia. Já pelo

professor é mais fácil, pois eles têm um contato mais direto com os alunos.

Miriã: Em sua opinião, qual o motivo que leva os agressores a praticar o bullying?

Raqueline: Eles consideram como se fosse uma grande brincadeira, e a maioria dos

agressores se sente de certa forma inferior aos colegas, então acabam pegando outro

colega e fazendo essas brincadeiras, tirando sarro, apelidando, e até mesmo agredindo.

São poucos casos de agressões físicas, porém há muitas agressões verbais.

Markus: A Escola tem desenvolvido algum projeto para acabar com o bullying?

Raqueline: Para acabar com o bullying só tem uma solução, é um trabalho contínuo que

deve ser lembrado todos os dias em sala de aula. A escola já fez formações com os

professores para conhecer melhor o assunto, como ele acontece e como identificar um

aluno que está sofrendo com essa situação e também para saber qual a abordagem que

devemos adotar. A escola faz essas formações para saber lidar com o agressor e também

com os pais dos alunos, tanto dos que sofrem quanto dos que praticam.

Jarison: Muito obrigado pela sua participação e fica um espaço para suas considerações

Raqueline: Sou eu que agradeço o convite, quero deixar aqui meus parabéns para a

turma, para vocês e parabéns para o professor César e agradecer por esse trabalho que

vocês estão realizando, por toda essa divulgação nas redes sociais, principalmente no

Facebook que atinge a maioria dos jovens da nossa escola, isso ajudará muito no

combate ao bullying.

Esse trabalho foi motivador pelo fato de ser em grupo, a interação aconteceu o

tempo todo, os alunos atingiram o objetivo comunicativo e o resultado foi essa bela

entrevista, produzida pelos alunos do 9º ano “C”, publicada no grupo ESCOLA

CONTRA O BULLYING, disponível em:

https://www.facebook.com/groups/382864901910873/.

O prazer do ensino aprendizagem está ligado ao sucesso, sem uma resposta

positiva em seu trabalho o professor se desmotiva, essa pesquisa proporcionou grande

satisfação no dever cumprido, os alunos se empenharam na realização das atividades e

obtiveram êxito. O pensamento de que a utilização de novas tecnologias poderia trazer

um novo ânimo no fazer pedagógico, estava correto. Os conhecimentos compartilhados

pelos professores do PROFLETRAS/UNEMAT/Sinop, sob a coordenação da Profa.

Dra. Luzia A. Oliva foram fundamentais para a fundamentação teórica e abertura de

novos caminhos. A orientação da Profa. Dra. Mônica Cidele da Cruz e a utilização das

sequências didáticas aliadas a essas novas tecnologias (telefone celular, Datashow, etc),

propiciou um estudo mais estruturado dos gêneros textuais “enquetes” e “entrevista

jornalística”.

 Exibindo IMG_8791[1].JPG

Exibindo IMG_8795[1].JPG

Exibindo IMG_8796[1].JPG

Exibindo IMG_9127[1].JPG

Comentários
Noticias Relacionadas
Publicidade
Facebook
Parceiros
Marli aparecida Dos Santos

meu nome é Marli Aparecida dos Santos moro em Ivinhema mato grosso do sul e estou a procura do meu irmão José Rogério dos santos que não temos noticias desde 2007.Por favor se alguém souber ou tiver alguma noticia favor entrar em contato pelo telefone (067) 9671-3411 Marli ou (67)9989-2917 Edvando. Muito obrigada